quinta-feira, 30 de outubro de 2008

OS PRIMEIROS CARROS NO BRASIL. Parte I














Nesta manhã de 1891 o céu apresentava um azul diferente dos outros dias, as nuvens completavam aquela paisagem de raríssima beleza no cais do porto de Santos em São Paulo.

Isto tudo tinha um significado muito especial era chegada do famoso transatlântico “Portugal” que vinha da Europa trazendo ilustres famílias tradicionais do velho mundo. Eram Famílias Inglesas, Germânicas, italianas e até mesmo brasileiras que foram passar o outono na França curtindo a beleza e do frenesi da encantadora Paris.

No cais a bagunça era geral. As famílias de parentes e amigos ficavam a espera dos desembarques para abraçá-los e para saber das últimas novidades do velho mundo.

No meio daquela confusão ficavam os tílburis a espera dos desembarques dos passageiros para levá-los até a estação da famosa empresa Railway (A Brasil Railway Company), onde pegarão o trem para capital.

Em geral, sempre quando chegavam navios vindo do velho continente traziam novidades que até então eram desconhecidas por todos naquela época. Em dado momento ouvi-se uns gritos de entusiasmos e de espantos vindos nos porões do navio. Vinha descendo pela uma rampa de madeira uma máquina que andava sozinha em quatro rodas, sem precisar de ser puxada por cavalos. Tratava-se do primeiro automóvel a chegar no Brasil.

E o dono desta maravilha era um rapaz de dezoito anos mineiro chamado de Alberto Santos Dumont que anos mais tarde seria o inventor e pai da aviação. Naquele momento Alberto Santos Dumont retornava da França com a família e com seu pai Henrique Santos Dumont engenheiro e dono de fazendas no interior de São Paulo, vinha de um tratamento de saúde que fazia nas termas de Lamaloule-les-Bains, e Alberto aproveitou e foi até uma cidade de Valentigney que ficava dos arredores de Paris e comprou um carro um Peugeot por 6200 francos. O carro tinha um motor Daimber inventado a cinco anos atrás, porém a própria Bens já desenvolvia um similar de 3,5 Cv de dois cilindros em V 1.018 cm3 com muito mais potência.

Alberto trouxe o Peugeot para São Paulo, e foi morar com seus pais e sete irmões, no palacete da alameda Nothmam esquina com alameda Cleveland, mandou construir uma garagem e guardou o automóvel, e nunca mais saiu para andar com o veiculo pelas ruas de São Paulo, dizem até que ele comprou para estudar o mecanismo do motor do que para guiá-lo, dizem também que nesta época ele já sonhava com balões dirigível e com motor mais leve do que do Peugeot.

Em maio de 1893, Henrique seu pai voltou a Europa para continuar o tratamento de saúde, fazendo-se acompanhar de sua esposa Francisca e de Alberto.

Na ausência do irmão, Henrique Santos Dumont seu irmão mais velho que tinha o mesmo nome do pai. Era um moço muito educado e querido pelas moças da sociedade que o chamava de “Rik”,tirou da garagem o carro e foi dar uma volta pelo centro de São Paulo, e neste momento provocou uma agitação geral dos curiosos que ficavam apavorados com tal acontecimento e até os cavalos ficavam inquieto, e saiam em alvoroço com medo naquela apavorante máquina que fazia ruindo bem característico de bomba hidráulica. Daquelas que temos em nossa casa de campo. Imaginem a curiosidade que sentiam aquela gente. Com este feito coube a Henrique o título de ser o pioneiro brasiliano a dirigir o primeiro automóvel no Brasil.

Os anos se passaram por volta de 1893, em uma viagem a Europa o jornalista José do Patrocínio. Aquele... Que lutou pela libertação dos escravos anunciou de viva voz em frente à uma praça na rua Olinda no Rio de Janeiro “Trago de Paris um carro a vapor que será o carro do futuro”. Agora pergunto? Como foi que ele comprou, sendo jornalista falido, e como consegui ir a Europa comprar um carro. Só se foi com dinheiro da Sociedade Brasileira Contra a Escravidão. Nos anos 1893 ele foi deportado para Cucuí no alto da amazonas a mando do Marechal Floriano Peixoto e só voltando três anos depois para trabalhar. E nesse período o Rio de Janeiro estava em Estado de Sítio e seu jornal “A cidade do Rio” estava suspenso e sem fonte de renda foi morar no subúrbio de Inhaúma. Eu acho que o mensalão já existia naquela época!

Pois bem, continuando a história comprou um carro de marca Serpollet com motor de 8cv e quatro cilindros em V, portanto era o segundo carro a chegar no Brasil e provocou espantou nos transeuntes da Capital Federal.

Patrocínio muito alegre satisfeito convida os amigos para dar uma volta e ninguém aceitou. Não aceitaram com medo de andar, e alguns davam desculpa que tinha família para criar e não ficava bem e não era seguro andar naquela máquina esquisita. O único que aceitou foi o poeta Olavo Bilac e ele queria aprender a difícil arte de dirige.

Então José do Patrocínio e Olavo Bilac saíram andar naquela manhã de domingo, espalhando pânico entre os pacatos moradores da rua Olinda em nova Iguaçu e depois atravessaram a cidade e foram em rumo da Tijuca. Alegria era tão contagiosa que José do Patrocínio insistia com Olavo Bilac a dar mais pressão, e em dado momento Bilac perde o controle da alavanca de direção, o automóvel fica desgovernado os dois pressentindo o acidente pulam. O automóvel bate em uma arvore e despenca no barranco. Os dois saíram ilesos, mas o veiculo fica inutilizado. Este foi o primeiro acidente de trânsito a se ter noticias até hoje.

No ano de 1897, ainda no Rio de Janeiro um industrial chamado de Álvaro Fernandes da Costa Braga fundador da Fabrica de chocolate e do café moinho de ouro, ele importa um carro Benz com motor monocilíndro de 6cv e na parte traseiro da carroceria instalou um moinho holandês de quatro pás para fazer propaganda dos seus produtos, isto que dizer que o marketing em propaganda móvel começou a existe a partir naquele momento.

A maior preocupações deles naquela época, eram que ninguém sabia dirigir, principalmente brasileiros. Não sabia mesmo! E como ainda não sabem, é por isso que hoje são todos maus educados no transito. Então... Álvaro convida um amigo James Mitchell para lhe ensinar e sentou ao seu lado e o amigo J.A. Byington ficou dentro do moinho.

Na foto apresentada, vale observar que o homen que ficam em pé ao lado de James é irmão caçula de Álvaro e o outro encostado no carro era o seu Contador, que naquela época chamavam de guarda- livros.

Então saíram pelas ruas amostrando a nova novidade, e os curiosos se admiravam, mas já não havia mais alvoroço, já estavam se adaptando com modernidade, o problema que não havia regras de transito, então não se sabia que é mão e nem contra-mão. E foi neste exato momento o carro entra em uma rua no sentindo contrario de um bonde puxado a burros, que se espantaram ao ver o moinho com as pás girando, os animais empinaram e pulam sobre o carro de propaganda.

O bonde ficou atravessado na linha, e diversos passageiros desmaiaram e o cocheiro que era um português tentava convencer uns dos burros que eles não tinham culpa, e que a culpa toda era do moinho que não podia ficar ali, e que eles estavam com razão. Ora já se vi conversar com animais! Isto o começou de uma grande deboche.

Até hoje não se sabe que resultou o acidente que repercutiu demais na cidade do Rio de Janeiro, só o que se sabe quê depois da conversa do português com os burros, que os brasileiros ainda debocham dos Português.

Este são acontecimentos interessantes que serão relatados no meu próximo livro que estou escrevendo com o título (Meu Brasil Varonil) Direitos reservados ao autor M. Shêlves






terça-feira, 21 de outubro de 2008

COMO DIZ O POETA...SAUDADE AMARGA QUE NEM JILÓ...



No escritório tenho o costume de tomar café para despista um pouco o estresse diante de tantos papeis. E de repente levantei fui até “Serves Coffee” em fração de segundo passou pela minha mente a lembrança, quando olhando o reflexo no liquido do café na xícara que ela mesma presenteou -me com carinho. Lembrei de uma mulher especial, sem muitos dotes escolares, mas possuída de bondade e de uma humildade de um cordeiro sem mácula.

Logo quando formei em Bacharel em Ciências Contábeis, coloquei um escritório de contabilidade e deixei em segundo planos minha outra empresa que era de Projetos Elétricos (PROJEL.COM®) que já funcionava a todo vapor, elaborando Projetos Elétricos e Eletrônicos para conceituadas empresas de Engenharia em todo Brasil, e fui implantar este novo segmento em outra localização na rua Carlos Câmara, 1760, que seria A UNIVERSUMCONTABIL®

Como sempre todo começo existe dificuldade de encontrar clientes, para dizer a verdade durante trinta dias só apareceu um cliente, trazendo suas contas dentro de um envelope conspurcado com farrapos de documentos para que eu pudesse verificar, e sempre escondida de segredo para que ninguém soubesse da sua agradável visita ao meu escritório.

A minha missão, era de analisar todos extratos recebido da sua Previdência do INSS e fazer as conciliações de debito e credito e controlar o dinheiro da caderneta da poupança. Porque, ela mesma achava que tinha desaparecido certa quantia e queria ter a certeza dessa duvida. Mas o pior que ela soube e ficou muito triste, e até chorou. Mas eu acalentei com palavras amena e aos pouco ela acalmou. O mais interessante que eu achava disto tudo! Mesmo sem saber ler, entendia perfeitamente todas seqüências que eu demonstrava e logo começou a entender a real diferença de debito e credito. Visto, que está diferença de debito e credito poucas pessoas, mesma aquela que tem um certo grau de conhecimento ignora a real diferença sutil na contabilidade, que seja estas duas palavras. Pois sim? Ela entendia perfeitamente tudo.

Mas o melhor disto tudo era o carinho que ela tinha por mim. A cada visita dela, trazia um bolo enrolado em um guardanapo perfumado de cravo da índia, juntamente com um café quentinho coado no coador de pano tosco. Era um café gostoso tinha um cheiro de aroma de café torrado...E o bolo!... Ora? O bolo era um manja dos Deuses? Este cliente era especial! Muito especial mesmo! Porque era minha madrinha e babá que cuidou quando era pixotinho ainda bebê de fraldas fazia minhas vontades e cuidava para que nada faltasse, e sempre me acalentou em momentos difíceis.

Diante destas lembranças é que resolvi extravasar estes sentimentos de tristeza e de saudade que parece jiló pretinho colhido ao amanhecer. Esta mulher chamava-se Elenice

Mas quem era Elenice. Uma pessoa simples com um sonho de ser feliz como qualquer ser humano. Mais Elenice tinha uma missão foi designada por Deus em ajudar a criar cinco filhos de um casal que acreditava em ti e teus desígnios, e tu o confiaste juntos com outros tantos. Elenice chegou em casa ainda quando mocinha ajudando a compartilhar as brincadeiras juntamente com meus dois irmãos mais velhos José Carlos (médico) e Silvia Maria (Pedagoga) que carinhosamente ela a chamava de Silvinha.

Depois nasceu a Rosilene (fascinada por odontologia) logo depois José Mário (Empresário e Contador) e por fim Inacinha.(Advogada e Procuradora da Justiça do Trabalho em Maceió) E sempre a costumou a ter a mesma dedicação respeito e carinho... Mas sua missão continuou. Logo quando o nosso pai faleceu Elenice ficou fazendo companhia a minha mãe dentro de uma casa imensa localizada na Av: João Pessoa, 4149 ajudando a fazer os trabalhos domésticos.

Minha mãe no seu leito de morte pediu a todos nós uma atenção toda especial a ela e que nós realizar-se o seu desejo de ter sua própria casa. Madrinha também tinha seus sonhos como toda mulher era de casar e ter filhos, seus sonhos foram realizados casou-se e criou seu filho que chamava de Daniel, e por ultimo realizou-se o seu maior sonho foi ter sua própria casa. A sua missão continuou sempre, com mesmo carinho afetuoso para com os nossos filhos que carinhosamente todos a chamavam de Madrinha.

Eu, particularmente tinha uma cota de afinidade... Porque foi ela no meu batismo que segurou a vela, para iluminar o meu caminho e a missão que mais justa era de agradecê-la neste momento...Pensando bem... SENHOR JESUS, posso dizer que fui presenteado por ti, em ter ela como madrinha... Porque eu sempre na vida tive o privilegio de ter dois padrinhos três madrinha. Mas, minha madrinha de coração que compartilhavam as minhas angustia e ria de minhas brincadeiras e de minha estórias hilariante era sempre ela.

Senhor...Jesus tu que nos ensinaste a ouvir teus ensinamentos com parábolas. E Neste exato momento lembro de uma delas, que falava de um homem que tinha três amigos e que foi intimado a comparecer perante juiz. E este homem foi salvo e conseguiu a paz com ajuda do terceiro amigos que mostrou ao juiz as suas boas ações que fizera aqui na da terra. E estas sem duvidas são as que mais pesam em nosso julgamento. Portanto, Senhor peço que aceite em seu júbilo a nossa querida Madrinha e abençoá e ampare em seu novo lar.

Senhor...Jesus tu que nasceste aquecido pelos animais do campo e em teu sermão da montanha quando tu dissertes com tuas palavras que teus passos são leves e o teu manto é suave: aqueles que sentir padecido, humilhado, maltratado, desprezado, cansado, vinde a mim eu os aliviarei “portanto senhor cobre com teu manto a minha madrinha e a proteja em seus braços e a ampare em tua infinita bondade. Senhor Jesus... deixe que atreva e lhe peça mais. Não só para mim, mas para todos meus irmãos e para todos aqueles que a conheceram suas ações de bondades para com todos nós... Senhor!... Senhor!.. Faz brilhar mais uma estrela no céu.

Trecho no meu livro "Folhas caidas e Frutos nascidos" capitulo LVIII- Direitos reservado ao Autor M.Shêlves



quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Overflow " Partida de Hialita"

video

Hialita

Que dor é esta que sinto,

Que me faz lembrar você!

Sem esperança de um amanhã,

Sem olhar o amanhecer!

Fugindo cada vez mais

Dos teus olhos e do teu ser.


Devo acalmar a alma, pois não encontro,

Esperanças e paz neste amor.

Não adianta iludir este ámago,

A todo instante passa o fado

Do teu semblante em vista,

Cheio de magia e de peçonha.


Fujo deste encontro que alude

E minha alma se ilude

Em sentir este desejo impune,

Como fosse uma nau viandante

A procura de um faro na imensidão

Do pélago a deriva.


Tua delicadeza foi de uma grandeza,

É um fardo em minhas lembranças,

Pois não importa se não estou

Em tua mente nem nos teus planos.

Importa que em teus olhos

Um dia retrataram o meu semblante...

Trecho do romance dos Amores do Cel Caetano “CapítuloXXXIII – A Partida de Hialita"

Todos direitos reservado ao autor M.Shêlves

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Overflow to friend


Como é agradável ter você como filho,
ter você como verdadeiro amigo.
Amigos... Porque podemos confiar um no outro e compartilhar nossas esperanças, e incertezas aplaudirmos nossas vitórias.

Sabe filho! Como é bom ser seu pai! Como é bom agradecer ao Senhor por um filho, que é carinhoso com seus irmãos, sério e convicto com seus ideais.
Envaidece-me em saber que Deus me confiou ensinamentos os teus primeiros passos, aperfeiçoando seu caminho para ser um bom cristão.

Embora eu pareça um pai disciplinador, não sou rancoroso,
Admiro tua simplicidade, tua dignidade sem prepotência.
Filho... Posso dizer, que você faz parte da minha vida e de nosso convívio,
Pois te digo, que a nossa família seria incompleta sem você.

Você entrou em nossas vidas com amor e não por obrigação.
Você está incrustado em nossos soluços, risos, vitórias.
Eu não profetizei como você seria bom ou mau
Simplesmente te amo e te amarei por toda vida e eternidade.

Siga seu destino! Voe bem alto, porque todo alicerce foi preparado com amor
E tenho a certeza que Deus está contigo pela retidão do teu caráter e pela tua seriedade com próximo e sobretudo com tua fidelidade para com os teus.
Peço-te que em tuas estradas jamais esqueça deste teu amigo.
Todos direito reservado ao autor M.Shelves

Overflow the youngest friend






No sábado de carnaval tu nasceste com alegria de um pierrô fazendo suas pantomimas de alegria dando vivas de tuas graças. Filho... Tu foste o último a chegar para alegrar mais os nossos corações, com amor e fraternidade, nós te recebemos com lindas decorações.


Fruto de um amor abençoado cheio de ternura, paz e simplicidade. Abriste teus olhinhos com um Sorriso. Sorriso que é um gesto carinhoso e saudável que as pessoas gentilmente distribuem para com todos. E você no berçário nos mostrou a verdade do sorriso.


Na sua idade infantil precisou de alguém para tirar suas dúvidas e proteger os teus sonhos infantis contra ataques de fantasia foi nesse momento que a mim procuraste para te consolar. E foi com diálogo que mostrei a verdadeira ponte que liga as duas margens entre pessoas.


Lembro-me bem da tua ida ao colégio passando pelo jardim de plantas decorativas olhando as joaninhas nas folhas tu caminhava com alegria. É a alegria que perfuma a vida. É ela que gratifica o fruto do dever cumprido, Esbanje-a sempre. Porque você vai precisá-la constantemente.


Levei-te à academia de natação para te ensinar a nadar e o lugar estava lotado.Vinha do trabalho olhou para mim cheio de bondade e disse: Pai senta aqui! Em uma cadeirinha de maternal. Foi um gesto de bondade. Bondade é a flor mais atraente do jardim de um coração. Cultive bem flores no jardim da sua vida.


Na sua adolescência surgiram diversos problemas de difícil solução. Lembre-se eu estou aqui e seus problemas são meus também. O importante é está em paz com a consciência, pois é o melhor travesseiro de ter um sono tranqüilo. Viva em paz consigo mesmo e com Deus.


Quando tiveres dificuldade em seus estudos e achares que é inábil não fique triste, ninguém nasce sabendo. Mas uma coisa te digo? Tenha fé! Porque a é a bússola certa para os navios errantes que buscam as praias para seu alívio. Utilize dela para seu consolo.


E quando tiveres desânimo para prosseguir em tua estrada, não perca a vontade de lutar.Não deixe que forças negativas mudem seu pensamento. Tenha esperança. Esperança é o balanço de ventos bons que enfunam as velas dos barcos. E sempre chame essa esperança para seu cotidiano.


Sempre no teu coração tenha o fogo do amor para com todos. Sempre ame tudo que Deus criou e ame mesmo aqueles que não te ame, pois o amor é a melhor música na partitura da vida, sem ele você será um eterno desafinado.


Diante de tudo isso que te falei ainda te digo mais... O segredo da felicidade está nestas nove palavras e a mais importante de todas elas é Cristo. Ele é o caminho, A verdade e a vida. Seja feliz com ele no seu coração.


Todos direitos reservado ao autor M.Shêlves